Nesta página os tricolores poderão recordar momentos da história do clube através de reportagens que se destacaram ao longo desses anos. Não deixe de conferir no final da página as reportagens anteriores.


E Parreira chorou

Ele fugiu da festa para ouvir sozinho seu desabafo de campeão. Agora, pode deixar novamente o Brasil para treinar um time árabe.

A alegria tricolor explode em abraços, beijos, risos e lágrimas no Maracanã. A torcida invade o campo e persegue, um a um seus ídolos e heróis para comemorar, com eles, o primeiro título de campeão brasileiro do Fluminense. Mas há um ausente. No mesmo instante em que começa a festa, o técnico Carlos Alberto Parreira foge, em desabalada corrida, para o vestiário. Lá, sozinho, tem uma crise nervosa. Quer chorar, o choro não sai. Passa a mão na cabeça sem parar. Tira do corpo a camisa branca, dá um murro ma parede, gira o corpo quatro vezes, senta e levanta sete vezes em menos de 1 minuto. O canto de vitória da torcida chega de longe, como uma espécie de fundo musical para a emoção solitária de Parreira. Na sala de frios azulejos brancos, um único ruído: finalmente, Parreira solta o choro. Lá fora, milhares choram de alegria. Aqui, diante do roupeiro, que respeitosamente se coloca à distância, Parreira desabafa.

Jogadores, companheiros de comissão técnica e torcedores demoram um pouco para perceber a ausência do técnico campeão na festa. E, no entanto, esta ausência pode tornar-se definitiva durante esta semana. Mais tarde, ainda no vestiário, já refeito da emoção, Parreira confidenciava: "Estou muito feliz, mas talvez não possa continuar aqui. Na próxima semana os árabes me farão uma proposta e, se for muito, muito dinheiro, novamente deixarei o Brasil rumo aos Emirados Árabes. Mas desta vez, irei como o técnico n.º 1 do Brasil." Então já recebera os abraços e tapinhas que nunca faltam num vestiário de campeão. E já explicara a emoção: "Desde que deixei a Seleção, passei dois meses ouvindo críticas injustas e mantive o equilíbrio. Descarreguei hoje dois meses de angústia e frustração. É a décima partida em que comando o Fluminense e estamos invictos. Chorei de emoção por poder responder com trabalho aos que me chamam de teórico e defensivista."

Por isso Parreira fugira de festa. E, por isso, só começou a ficar tranqüilo quando, 11 minutos depois de entrar sozinho no vestiário, chegou o seu preparador físico Admildo Chirol, seu companheiro na Seleção, com ele demitido há exatos dois meses, no dia 27 de março. "Vamos, Parreira. Todos querem te abraçar. A festa é sua, nós vencemos." , diz Chirol. Parreira tira a mão do companheiro da sua cabeça e responde, entre soluços: "Quero ficar sozinho."

Ainda se passam 20 minutos para que ele se acalme de vez e receba o abraço de Romerito. Saúda o craque paraguaio: "Don Romero, tu es campeón de Brasil! " Romerito grita, aos pulos: " Es tu el campeón, tu venciste a todos! " Chega Arnaldo Santiago, o médico, também companheiro da Seleção: " Parreira, você calou a boca de todos." O técnico responde com um abraço forte e um desabafo: "Deus não poderia deixar passar em branco tanta injustiça. Ele me deu este presente."

Maior emoção só existe quando Delei chega ao vestiário e chora nos braços de Parreira: "Professor, nós dedicamos este título ao senhor, que soube nos comandar, deu força e personalidade ao nosso time." .

Marcelo Rezende
Fonte: Extraído da revista Placar, de 01 de Junho de 1984.

 
REPORTAGENS ANTERIORES:

Flu Campeão Brasileiro 1970 - 15/08/2011
Flu Campeão Carioca 1971 - 12/08/2011
 
  


Copyright (c) 1998-2017 Sempre Flu - Todos os direitos reservados