Esse espaço foi criado para divulgarmos crônicas sobre o Flu, tanto de escritores famosos quanto de iniciantes. Não deixe de conferir no final da página as crônicas anteriores.


Roberto

Amigos ,

Se me perguntassem o verdadeiro motivo que nos faz ir a um lugar e torcer por um time de futebol ,

Eu não saberia responder ...

Mas se me perguntassem porque ir a um lugar torcer pelo Fluminense ,

Eu responderia de maneira direta e rápida...

Por amor !

Podem até questionar se não seria melhor dizer ; por paixão !

Mas não...

Paixão é um sentimento , ou parte dele , que floresce no inicio de um amor.

Ela serve como alicerce.

Como uma forma de sustentar aquilo que virá.

Queridos Amigos , vocês podem estar achando essa declaração por demais melosa...por demais romântica.

Mas tem um motivo.

Em muitos e muitos anos como torcedor de carteirinha.

Como Arquibaldo dos melhores momentos no Maior do Mundo .

Como diplomata Tricolor pelos sete cantos de nosso continente Sulamericano.

Depois de testemunhar a 9 de julho virar sinônimo do bar das Torcidas no portão 18.

Depois de tantas e tantas experiências eis que a vida me reserva mais uma pérola.

O jogo seria contra o Patético Paraguaiense. E na casa deles em CUritiba.

Domingo e as 4 da tarde... pior horário para mim pois so aproveito a manha na praia.

O lugar , o bar da Maria , em Vitória ES onde moro atualmente.

Cheguei faltando 10 minutos para começar a peleja.

Pedi uma cerveja , que veio como de habito, super gelada.

Depois do ponta pé inicial e dos primeiros lances , vidrado nas telas e em pé ao lado do balcão , onde sempre fico , acabei por olhar para fora do bar quando uma tentativa de chute a gol foi frustrada pelo guarda metas deles.

Olhei e vi um carro estacionando do outro lado da rua.

Abriu a porta e vi uma cena digna do Cirque du Soleil.

Uma pessoa. Um homem , de forma absolutamente malabarística, puxou uma cadeira de rodas desmontada , articulou sua montagem e saiu do carro sem a ajuda de ninguém.

Trajava uma tradicionalíssima camisa Tricolor.

Fechou o carro com seu controle remoto e com uma agilidade e velocidade digna de uma paraolimpíada , atravessou a rua e se posicionou em uma das ultimas mesas na calçada.

Poucos percebiam mas o fato de eu ter visto toda a cena me fez cumplice daquele momento.

Passei a observa-lo sempre que o lance me permitia tirar os olhos da tela.

No intervalo , descobri seu nome , Roberto.

Não tive coragem de ir lá puxar assunto , ate porque outras pessoas já lhe pareciam íntimos e decidi ficar no anonimato.

Veio o segundo tempo e com poucos minutos a explosão de um gol maravilhosamente construído por um passe milimétrico e um chute certeiro.

Todos no bar comemoravam e quando dei por mim estava ao lado do Roberto , que estendeu sua mão e nos cumprimentamos com um aperto digno de troca de muita energia.

Sentia ao mesmo tempo toda sua alegria e sua vontade de quero mais...

De poder pular como todos e vibrar extravasando tudo que pudesse naquele momento de comunhão . Naqueles instantes de total êxtase...

Quando veio o gol de empate e durante todos os minutos que antecederam ao tento de Fred , pude perceber sua angustia e sua inquietação.

Em alguns momentos pensei que ele sairia a francesa e iria para sua casa , realizando todo aquele processo novamente para entrar no carro...

Foram minutos que pareceram horas.

Era unanime a insatisfação com nosso lateral, que aparentemente nervoso , errava tudo.

Quarenta e seis minutos e uma boa oportunidade e novamente um cruzamento desastroso deixando nosso centroavante desanimado... E isso contagiava a todos, dentro de campo e em nosso bar !

Todos menos o Roberto.

Depois deste cruzamento , virei automaticamente , como a xingar os Deuses do Futebol por aquele desfecho tão chinfrim para um domingo especial.

Especial sim , pois ate aquele momento estava sendo testemunha de um exemplo de superação.

Um exemplo de determinação e de como devemos conduzir nossas dificuldades.

Se tudo acabasse naquele momento , já teria sido muito positivo ter vivido aqueles instantes.

Mas ainda não tinha acabado.

Como estava desanimado com o desfecho do ataque , e tinha me virado , acabei sem perceber , ficando olhando para o Roberto e não acompanhei o lance ao vivo.

Quarenta e oito minutos do segundo tempo.

Uma bola suavemente lançada na velocidade exata da corrida de nosso lateral.

Ele levanta a cabeça e olha que existem Tricolores na área.

Bate na bola por baixo. Como num lance de golfe com o taco certo.

A bola pega velocidade , curvatura e direção exata; a cabeça do Frederico !

Um gol que estufou a rede.

Um gol que somente pude ver no replay, pois enquanto ele ocorria, enquanto era minuciosamente construído , eu estava olhando para um torcedor especial.

E especial foi sua comemoração !

Não pulou , pois suas pernas não permitiam.

Não abraçou ninguém pois seria impossível pela altura em que estava sentado.

Olhou para mim e cerrou o pulso .

Como fazia o Reinaldo há anos atrás comemorando seus gols.

Levantou o braço direito o mais alto que podia e de pulso cerrado gritou “ Nenseeeeeeee” !

Um grito que ecoou em nossos ouvidos e pode ser escutado na Arena da Baixada.

Seus olhos brilhavam e seu rosto era um exemplo do significado da expressão felicidade.

Fui ao seu encontro e novamente apertamos nossas mãos . Só que desta vez a energia se multiplicou por muitas e muitas vezes.

Não existiu dialogo. Não existiram palavras... Apenas gestos !

Voltei ao bar e enchi meu copo novamente .

Pedi outra cerveja pois a minha mal completou o copo.

Quando o juiz apitou o fim do jogo e o bar explodiu em alegria , com todos pulando e gritando.

Enquanto toda essa euforia tomava conta dos simples mortais que ali se deliciavam com mais uma tarde de domingo. Mais um show Tricolor... Enquanto esse minutos eternos passavam eu deixei de ver que o Roberto saiu em direção ao seu carro e quando percebi já estava ao volante e com a seta indicando sua intenção de sair de volta a sua casa...

Ou talvez de volta a um lugar mágico onde viva.

Fiquei fitando sua saída frustrado por não ter podido partilhar com ele mais aqueles minutos de alegria.

Porém muito feliz por ter vivido mais essa experiência.

Por ter constatado o verdadeiro motivo que nos leva a torcer pelo Fluminense.

Voltei para minha casa certo de que o motivo é muito maior do que uma simples paixão Clubística.

É sim um amor incondicional a essa energia de Luz que emana de todos e para todos.

Saudações Tricolores

Julio Drummond

Julio Drummond
Fonte: ddjr2003@hotmail.com

 
CRÔNICAS ANTERIORES:

Doce sabor da vingança - Julio Drummond - 22/09/2017
Dia 13 - Julio Drummond - 14/08/2017
AxeFLU - Julio Drummond - 07/07/2017
Crônica sobre o título de 1995 - Joaci Tavares de Araújo Júnior - 01/07/2017
Perdas & Ganhos - Julio Drummond - 01/07/2017
Desclassificação ? - Julio Drummond - 07/06/2017
MD - Julio Drummond - 23/05/2017
A batalha - Alexandre Pardal - 05/05/2017
Ser Tricolor - Julio Drummond - 02/05/2017
Salve Jorge - Julio Drummond - 02/05/2017
Da Angústia a Glória - Joaci Tavares de Araújo Júnior - 02/05/2017
Maracanã - Julio Drummond - 19/04/2017
Betales I - Julio Drummond - 08/04/2017
fla x FLU - Julio Drummond - 05/04/2017
Nice to meet you - Julio Drummond - 05/04/2017
2017 - Julio Drummond - 13/02/2017
2016 - Julio Drummond - 16/01/2017
9 de julho - Julio Drummond - 02/08/2016
Shopping ? - Julio Drummond - 28/07/2016
Único e Indivisível - Julio Drummond - 04/07/2016
Xadrez & Dama - Julio Drummond - 23/02/2016
Água - Julio Drummond - 01/02/2016
1904 - Julio Drummond - 17/08/2015
Fifty - Julio Drummond - 10/07/2015
KW - Julio Drummond - 10/07/2015
beleza geral - Julio Drummond - 10/07/2015
Grão ou Gota ? - Julio Drummond - 12/02/2015
Será o inicio do fim ??? - Julio Drummond - 04/02/2015
Mercenários ou Mercadores - Julio Drummond´ - 07/12/2014
     (1)  2  3  4  5  6  Próxima  Última 
  


Copyright (c) 1998-2017 Sempre Flu - Todos os direitos reservados