Colunistas -

O Juiz Impediu Nossa Vitória (31/05/2018)

Só não vencemos o jogo contra o Grêmio por detalhes. Aliás, um lance não foi detalhe, foi capital: o juiz, ladrão como o irmão mais velho, não marcou o pênalti claríssimo do lobisomem argentino Kanemann em Renato Chaves no segundo tempo. O nosso cabeça de espanador ia jogar a bola para dentro e foi empurrado por trás.

Aliás, Kanemann e o outro lobisomem, o Maicon, teriam que ter sido expulsos, porque fizeram faltas feias para parar matar nosso contra-ataque, quando já tinham cartões amarelos. Esse Luís Flávio é sobrinho do vagabundo Zé Aparecido de Oliveira, que nos roubou uma Copa do Brasil em 1992 contra o Inter lá no Sul.

Bom, mas sobre o Fluminense, que é o que nos interessa, gostei da coragem e disposição da rapaziada. Mas acho que Abel errou ao entrar com o ótimo Dodi. O problema é que Pedro ficou isolado, ficamos sem velocidade no contra-ataque, e o desgaste físico para o Queixada foi absurdo.

Os que o criticam também puderam ver como Marcos Júnior está sendo importante para o time. Estou certo de que, com ele em campo, nós teríamos vencido. Uma pena perder Pedro em seu melhor momento, quando está ganhando confiança e começando a usar seu potencial. Kanemann quase morreu para marcá-lo.

Vejo ainda alguns problemas no time. Nossa marcação no meio de campo é muito frouxa – só Richard chega junto, os outros limitam-se a cercar e concedem muito espaço. Inclusive Marlon, que não tem condições de ser titular e foi o pior do time.

Renato Gaúcho e seu time precisam baixar a bola e ter mais humildade. Arrogantes demais! O tal do Luan é um nojo, chorão, mole, supervalorizado. O diabo é que a mídia enche demais a bola de todos. Deu raiva ouvir o tal Júnior Capacete falar do Grêmio como se fosse um Real Madrid.

Se Pedro fosse inteiro até o fim, acho que venceríamos. Ainda que o João Carlos não tivesse ido mal. O problema é que Pedro é muito superior tecnicamente e estava apavorando a zaga deles.
E como bateram os gremistas! Sob a complacência do irmão do PC Oliveira e sobrinho do Zé Aparecido, ladrões contumazes. Eu vinha lamentando que a Copa do Mundo iria atrapalhar nossa boa fase. Agora, estou achando até bom, porque o estilo de jogo do time, de apenas se defender e contra-atacar, desgasta fisicamente, de forma absurda.

Alguns espertinhos acham que ter a bola, jogar para envolver o adversário, cansa mais. Sabem de nada, nunca calçaram uma chuteira. Correr atrás do adversário, marcar, defender, é muito mais penoso e desgastante. Exige atenção, esforço físico, reflexos.

Acho que há outros jogadores a ponto de estourar, como Sornoza e Gilberto, que são exigidos demais pelo papel que têm em campo. Além de marcar, têm que contra-atacar e participar de praticamente tudo.

Ah, sim, outra coisa do Abel que não entendi: Por que lançar o Mateus Norton no lugar do Gilberto, em vez do ótimo Leo, que fez grande partida na única vez em que atuou? A única explicação seria maior capacidade de marcação também no meio, já que Norton é volante de origem.

Resta torcer para o João Carlos ganhar confiança e condicionamento físico, e para ter o Marcos Júnior e o Pablo Dyego de volta o mais rápido possível.

Sobre a crise entre a direção do Flu e o grupo que se afastou, isso nos dá apenas cansaço. Todos estão errados, são incompetentes, vaidosos e não pensam no clube.

-


 
Desculpe, não há artigos no momento.
  


Copyright (c) 1998-2018 Sempre Flu - Todos os direitos reservados