Colunistas -

Para Nós, O Ano Acabou. (09/11/2017)

Por que um técnico escala um jogador que todo mundo sabe que não tem condições, o Renato Chaves, e deixa outro melhor, o Reginaldo, no banco? Por que fazer opções erradas, como insistir com o Lucas na lateral direita, em vez de buscar outras saídas?

Há amigos tricolores que garantem que Abel segura a onda de um clube sem rumo no futebol, e também reconheço os méritos dele. Mas que o time é mal treinado, isso é. Outros, dizem que técnico não faz diferença. Então vejam o Bahia, o próprio Coritiba, o Vitória e o Vasco.

Ou o Botafogo, que tem um time individualmente muito pior do que o nosso. Mas briga lá em cima. Gosto do Abel como personagem, como caráter, mas nosso time é muito mal treinado, e algumas opções na escalação me levam à loucura. Renato Chaves, em vez de Reginaldo, repito.

Nosso time não marca ninguém. Sem a bola, parece que joga um amistoso de verão, ou treina contra os Sub-20 em Xerém. No primeiro tempo contra o Coritiba, foi agoniante, o velho pereba Thiago Real parecia o Messi. Jogava sozinho, todo mundo olhando. Toda bola alta em nossa área é um deus-nos-acuda, nossos zagueiros não sabem jogar pelo alto.

Não há esquema de jogo, organização. Os jogadores improvisam as soluções ao longo do jogo, e às vezes tomam as decisões erradas. Gustavo Scarpa tem todo o potencial de um grande jogador, mas tem defeitos graves...que não são corrigidos. Marcos Júnior se mata em campo, mas não parece ter tarefas definidas.

Todos nós sabemos que Douglas e Wendel são grandes chutadores de fora da área, mas não vemos isso em campo. O time não tem soluções para isso. Aliás, Sornoza foi vice-campeão e grande destaque da última Libertadores com o Independiente Santa Fé fazendo gols de falta e chutando de fora da área.



Não treinamos isso, nos jogos é tudo na base da improvisação, e com o Lucas doente em campo. Parece ser um ótimo rapaz, bom chefe de família, bom caráter. Mas não tem condições físicas e nem personalidade para jogar futebol profissional, é doente, e escrevo isso desde o Campeonato Carioca.

Renato Chaves é um dos zagueiros mais fracos de todo o campeonato. Todo mundo sabe disso. O segundo gol, o de empate do Coritiba, chega a ser patético. As falhas e os erros dele em campo são constrangedores. Fisicamente, é frágil como um lírio do campo. Não tem tempo de bola e nem coordenação motora.

Lucas também. O rapaz tem sérios problemas físicos. Pelo menos, parece que Abel se convenceu de que Orejuela não dava mais. Não vamos cair, isso está claro há muito tempo. Mas tínhamos chance de brigar por uma Pré-Libertadores. Mas com Lucas, Renato Chaves, sem esquema de jogo?

Uma outra coisa que me incomoda profundamente é a falta de personalidade do time, a falta de malandragem. Viramos o jogo, certo. A vitória parecia garantida. O juiz sempre teve uma grande má vontade contra o Flu. Chegou a anular um gol legal do Reiner contra o Grêmio lá no sul, em uma Libertadores.

Mas estamos jogando em casa e somos o time grande, caralho! O juiz rouba e ninguém o cerca para reclamar, para cobrar! O Coritiba é quem fazia isso, como fez o Flamengo na Sulamiranda! Time conformado com o juiz, cabisbaixo, ingênuo!

Ah, tá difícil! Desde o comecinho do jogo, sentíamos que o Coritiba estava melhor armado, e que abriria o placar. Nossos jogadores são melhores, mas é difícil jogar no caos, sem organização, com cada um fazendo o que bem entende em campo, e de forma atabalhoada. Acho que o ano acabou...

-


 
Desculpe, não há artigos no momento.
  


Copyright (c) 1998-2017 Sempre Flu - Todos os direitos reservados