Colunistas -

Fred Foi Um Rio Que Passou (13/06/2016)

Paulinho da Viola não é tricolor, como eu, mas é portelense, como eu, então tomarei a liberdade de pegar emprestadas algumas frases dele para falar um pouco do que foi Fred para o Fluminense e sua torcida.

Se um dia meu coração for consultado, será difícil negar as alegrias que Fred trouxe para a nossa torcida Fred significou muitos gols, mas não foi só isso. Está entre os três maiores de nossa história. Fred encantava as crianças, mas também não era só isso. Mesmo os adultos sentiam uma maior segurança ao vê-lo com nossa camisa, dentro da área. Imaginem o que os adversários sentiam. Ele marcava contra todos os maiores rivais, lavando a alma da torcida, deixando seu coração apressado e fazendo a alegria voltar. Não posso definir aquele gol de voleio, contra o Botafogo. Não era do céu nem era do mar.

Mas quando tudo parecia estar tranquilo, alguém que não me lembro anunciou: Fred está sendo negociado. Nossa torcida viveu um pandemônio. No fundo, todos preferiam que Fred ficasse, mas alguns não viam sua saída como catastrófica. Achavam que podia já ter chegado a hora. “Um dia o bolo azeda”, diziam alguns. “Não se perde um ídolo”, retrucavam os indignados. Debates acalorados movimentaram as redes sociais, cheios de mágoas e ironias, até lembrando um pouco a política nacional. E todos tinham seu quinhão de razão.

E foi tudo tão de repente! Um breve tempo que marcou os tricolores para sempre. Em 29 de maio Fred marcou, mais uma vez, contra o Botafogo, uma de suas vítimas preferidas. Menos de 15 dias depois ele voltaria a marcar, mas dessa vez trajando a feia e descolorida camisa do Atlético. Frederico Guedes vestindo outra camisa pareceu quase ofensivo. FOi um domingo difícil. A torcida tricolor carregava uma tristeza. Ao ponto de muitos torcerem ardentemente contra o novo clube do ídolo, no clássico mineiro do domingo.

Mas Fred foi ídolo e ídolo não é fácil de achar. Porém precisamos colocar em perspectiva as verdadeiras razões de sua saída. Se um dia o coração de Fred for consultado para saber se ele andou errado, também será difícil negar. Fred pareceu não ter percebido a mudança da realidade financeira com a falência da antiga patrocinadora. Não tinha mercado na Europa e não queria morar na China, mas queria salário chinês. Brigou com o técnico que finalmente estava dando algum padrão tático ao bando que seus antecessores deixaram. Criou um conflito que deixou o clube numa sinuca de bico.

Por outro lado, que a diretoria também faça sua reflexão. Ela também errou e muito, e não apenas com Fred. Salários acima da realidade e com gatilhos de aumento para jogadores medíocres, criando uma bomba relógio que viria a explodir em breve. Assim, a saída do jogador parecia inevitável quando aconteceu, mas poderia ter sido evitada ou, ao menos, postergada.

Fred foi ídolo, foi fundamental, vai fazer falta, mas também pode significar um maior ânimo para o restante do time, maiores oportunidades para os mais jovens e talvez uma maior liberdade tática para o treinador. Torçamos.

No mais, bola pra frente. Fred foi um rio que passou na história do Fluminense, mas não podemos nos deixar levar.

-


 
Desculpe, não há artigos no momento.
  


Copyright (c) 1998-2018 Sempre Flu - Todos os direitos reservados